O menino começou a estudar inglês aos sete anos, doido para entender as letras daquelas músicas que tanto amava. Também aprendeu a tocar piano e, lá pelos dez, onze anos, já estava rabiscando poemas em caderninhos. “Com aquela 'tristezinha' no fundo da alma”, lembra Gustavo, com ternura. Ele teve vários outros apelidos até se decidir, somente aos 28 anos, por Chal, seguindo conselho do professor de meditação de seu pai.

Na adolescência e na pós-adolescência, Chal emprestou o vozeirão e musicalidade para bandas de rock de diferentes estilos (de pop rock a nu metal) e cantou em barzinhos até encontrar sua praia musical. Era uma praia interiorana, mapeada a partir da observação das semelhanças entre aspectos da música sertaneja de raiz, o folk e o blues. Dosando ingredientes de maneira pessoal, ele começou a compor, em inglês, country rocks e baladas folk.

Ídolos como Neil Young, Bob Dylan e Lynyrd Skynyrd eram sua principal inspiração, com o country alternativo (conhecido no exterior como alt. country) entrando como elemento complementar nos primeiros discos, os EPs, "Singing for the fools" (2009) e "Up-Country" (2010), e também o single que lançou em 2012, versão do clássico folk "Wayfaring stranger".

Com "Up-Country", Chal firmou parceria com a Toca do Bandido, um dos mais renomados estúdios do Brasil - e também selo, Toca Discos. Cercado pela mata atlântica no aprazível bairro do Itanhangá, no Rio de Janeiro, a Toca foi montada pelo produtor Tom Capone (1966- 2004), figura legendária no rock nacional. Ali, a decoração em madeira e a paisagem à volta garantem uma atmosfera despojada e inspiradora – ao mesmo tempo em que o equipamento vintage e a alta tecnologia proporcionam o melhor de dois mundos para artistas e produtores.

Na Toca do Bandido, desde o início as canções de Chal se beneficiaram da contribuição de alguns dos melhores músicos do rock brasileiro: o grande guitarrista Fernando Magalhães, mais de trinta anos de excelentes serviços prestados ao Barão Vermelho, o baixista Rodrigo Santos (ex-colega de Barão com bela carreira como artista solo e em outros projetos), o superbaterista Kadu Menezes (Kid Abelha) e o tecladista Sergio Villarim.

Mas o salto veio com o primeiro álbum, "Aonde o tempo é solto" (2014), produzido por Felipe Rodarte e Fernando Magalhães, com repertório em português e fundamentado por uma referência bem brasileira: o chamado "rock rural" de grupos dos anos 1970 como Sá, Rodrix & Guarabira (nosso Crosby, Stills & Nash) e gêneros tradicionais como moda de viola, revivida na clássica "Disparada" (de Geraldo Vandré and Téo de Barros), e na bela faixa de abertura, a toada "Sabiá".

Na sequência, "Enlace" (2016), coproduzido por Felipe Rodarte e Constança Scofield, Chal mostrou evolução nas composições (a emocionante "Faraó menino" e "Fio da navalha" são pontos altos) com letras pessoais a partir de lembranças de infância valorizadas pelos arranjos elaborados, com viola, violinos e violoncelo.

Longe de ser aquele clichê que chamam de “o difícil terceiro album”, "O céu sobre a cabeça" foi gravado com o mesmo time de músicos (com o talentoso baixista Bruno Migliari no lugar de Rodrigo Santos) e produtores que vêm trabalhando e dividindo experiências criativas com Chal nos últimos oito anos. O álbum expande o apelo do artista a partir do que ele tem de mais simples e autêntico.

O canto, mais próximo do estilo brasileiro de cantautores como Renato Teixeira e Almir Sater, está mais natural e “limpo” do que nunca, guardando os arroubos épicos para ocasiões certeiras. A música escolhida para primeiro single, “A vida continua”, é uma dessas ocasiões que exige tal tratamento. Sua mensagem forte de resistência e luta cristaliza de modo doce o tema principal do álbum: estradas que precisam ser cruzadas, viagens que precisam ser completadas.

Inspiração não é problema para Chal. Não depois de ter frequentado por seis anos uma fazenda em Cezarina, a 80 quilômetros de Goiânia, criando gado e fazendo música. Sua dedicação incansável à tarefa de compor segue impressionando a produtora e diretora artística da Toca Discos, Constança Scofield: “A gente dá uma ideia pra ele e, de noite, ele liga com alguma coisa. Flui. Ele consegue produzir muita beleza no simples”.

A porção autor se complementa com as composições alheias escolhidas para o repertório de “O céu sobre a cabeça”: "Tocando em frente", obra-prima dos trovadores Renato Teixeira e Almir Sater, "Caminheiro" (moda de Jack, da dupla Jack & Jango, sucesso na voz de Sérgio Reis nos anos 1970), "Estrela natureza", de Sá & Guarabira, que estourou na trilha da novela “Pantanal”, em 1990, e o megahit "Não aprendi dizer adeus”, marco de 1991 na versão de Leandro & Leonardo. Todas clássicas de outros tempos, servindo para reforçar que a hora de Chal é agora.

Pedro Só

Chal 2018 - Todos os direitos reservados